Vídeo #13 – Como Aumentar sua Taxa Vibratório no dia-a-dia

Nestes tempos de transição planetária é fundamental mantermos a nossa sintonia no Bem e no Amor para não sermos “contaminados” pelos fluídos negativos e o clima de sofrimento e recessão.

No vídeo de hoje ofereço algumas dicas simples e muito eficazes para elevar a frequência de sua consciência e poder viver dias mais agradáveis e edificantes.

Lembre-se você atrai o que você emite. Seus pensamentos, sentimentos e ações estão criando os próximos passos da sua vida a todo instante!

A transformação vibracional da realidade terrena

As fronteiras do tempo se abrirão diante dos olhos de todos. O que seria em décadas ou séculos, ocorrerá em poucos anos.

Talvez estejam os planos Divinos dando um ultimato sobre os limites que não podemos ultrapassar, sob o risco de afetar o equilíbrio da vida em muitos outros mundos conectados ao fluxo energético que participa o vosso planeta.

Tudo é monitorado e avaliado. O respeito as leis do livre-arbítrio e da ilusão da separatividade que oculta os saberes espirituais das percepções dos olhos físicos, é seguido por todos os seres espirituais alinhados com os planos de Deus.

Porém, todo esse véu está em curso de ser removido para a compreensão e revelação individual e coletiva dos múltiplos planos que envolvem a vida.

A constatação interior quase imediata só é possível com a alteração vibracional do vosso plano para que sejas possível enxergar e vivenciar quase fisicamente a realidade metafísica que sempre esteve presente no seu planeta.

O que, aos olhos humanos, é uma “eternidade”, para a realidade espiritual são apenas mínimo momentos.

Para nós, não existe “demorado” ou “injusto”, mas sim a sucessão de fatos esperados sobre um planeta de livre-arbítrio, ou seja, colhe-se o que se planta. Toda ação trás consequências. Não há evolução sem aprendizado, nem que seja preciso usar a dor para despertar. Por isso, os momentos de grande turbulências que enfrentam como civilização não são nada mais que o período natural e esperado de reestabilização para uma nova taxa vibratória da vossa realidade.

Não há como ser diferente o caminho da renovação planetária, pois em última estância, deve ser dada a oportunidade justa e igualitária a todos os habitantes do vosso plano de acompanhar essa evolução e permanecer neste plano da vida, que irá florescer para um novo estágio.

Todos terão a oportunidade de ouvir o chamado da intuição e adaptar vossos pensamentos, sentimentos e ações para uma nova expressão do viver.

A ascensão de um planeta não é algo linear, previsível, principalmente em planos de livre-arbítrio como a Terra. A criatividade e a individualidade moldam os acontecimentos. Todos seguem na mesma direção, mas por  múltiplos possíveis caminhos.

Todas as dificuldades são como aceleradores dos ajustamentos necessários para um novo mundo e uma nova vida para você.

Em seu coração reside as respostas. Desperte o seu guia interior. Ele sempre está com você. Sutilize a sua percepção e sinta a sua realidade.

Enviamos nossas mais sinceras energias de Luz, Amor e Sabedoria para toda humanidade. O despertar é eminente. Aproveite este momento para expandir a luz do Bem no mundo.

Todos estão sendo chamados para agir da forma que for possível para a evolução do Amor e Paz no mundo.

Estamos prontos para auxiliar na compreensão desta nova realidade que se aproxima. Basta pedir e exercer o seu livre-arbítrio para desejar saber as essências que regem os acontecimentos.

Estamos autorizados a auxiliar a todos que escolherem o caminho do auxílio e da cooperação ao plano divino da evolução na Terra.

Despertem o seu guia interior. Ele conduzirá o seu caminho. Mesmo diante do impossível, sempre encontrarás saída e o caminho da Luz.

  • Por “Mensageiro Celeste” – 22/05/2017. 

 

A infinita jornada interior pela Evolução

Em nosso interior existem duas forças que ficam constantemente “batalhando” por nossas decisões, afetando nossa saúde física e mental.

Um delas representa a voz de nossas crenças limitantes que precisam ser superadas. E a outra, a voz infalível e onipresente de uma Sabedoria maior que a compreensão da lógica humana, que a todo instante tenta mostrar os acontecimentos e caminhos sob a ótica do amor, da paz e do respeito. Nos traz vergonha sem julgamentos pelos erros, e alegria sem vaidade pelos acertos.

Cada dia mais, percebo que a nossa vida se resume a compreender essas “vozes”, assumir nosso papel como eternos aprendizes e seguir aquela voz que sabemos que nos levará ao equilíbrio e harmonia conosco e com todas as formas de vida, e nos conduzirá adiante na infinita jornada de evolução que estamos apenas começando.

Uma Doença chamada Cracolândia

No último dia 22 tivemos uma expressão de um mundo que está fadado ao fracasso. Enquanto quisermos acelerar sobre questões complexas visando o curto prazo, não conseguiremos construir uma sociedade equilibrada. Pelo contrário, só iremos aprofundar os problemas.

A Cracolândia e o “fluxo” são consequências diretas da realidade que construímos. Não existem​ culpados. Existe a realidade e os erros que cometemos e devem ser corrigidos. Mas com imposição e violência nunca existirá aprendizados e evolução.

Não podemos mais apoiar a entrada de bombas e tiros em um local cheio de doentes emocionais, espirituais e mentais, que já não possuem forças próprias para vencer o vício ou escolhem este caminho em resposta desesperada diante de tamanhas revoltas, tristezas e injustiças que vivenciaram. São doentes, que devem ser tratados e não presos. As “reações violentas” são apenas um dos tristes sintomas desta doença.

Devemos olhar com amor esta situação, compreendendo que não haverá resultados definitivos usando a força ou imposição.

Estruturar programas de governo colaborativos de médio/longo prazo com apoio de profissionais e universidades que estao habilitadas para tratamento e prevenção dessa realidade é uma das soluções interessantes. A polícia pode e deve estar presente, mas não para agir ativamente, mas sim passivamente, apenas para garantir o acesso livre e a integridade de todos os envolvidos.

Mas infelizmente ainda vemos o tipo de pensamento antigo e fracassado de combate às drogas e suas mazelas na sociedade se manifestar em nosso plano.

Mas isso está mudando.

Com apenas poucos minutos de dedicação em um pesquisa pela internet, qquer pessoa pode encontrar entrevistas e conteúdos que nos fazem compreender que por trás de todo “delinquente viciado”, “lixo da sociedade” estão pessoas gritando e clamando por misericórdia, compaixão e ajuda. Muitas vezes a maior das raivas se esconde por trás de uma carência infinita.

Nestes tempos de transição, todos estamos sendo convidados a sair de cima do muro e assumir a sua posição neste verdadeiro “campo de batalha” entre a esperança e a revolta. Podemos olhar o erro como uma oportunidade para renovar ou como fonte para a depressão. Esta é nosso decisão.

Que a justiça divina continue seu curso e nos mova para o reequilíbrio da nossa humanidade.
🌍🎆

Deixo abaixo 3 links sobre este último evento na Cracolândia para suas próprias conclusões.

1) Ex-moradores da #Cracolândia ocupam a Praça Princesa Isabel, em #SãoPaulo. https://glo.bo/2qOFqXU

2)Tráfico de drogas continua na Cracolândia mesmo após operação da PM
http://noticias.r7.com/…/-trafico-de-drogas-continua-na-cra…

3) Jovem de 18 anos sonha largar droga e diz que mãe pede que ele deixe a Cracolândia em SP: https://glo.bo/2rT9kbi

Primeira norma técnica para cidades sustentáveis é criada no Brasil

Primeira norma técnica para cidades sustentáveis do Brasil foi aprovada e publicada pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) em janeiro, a NBR ISO 37120:2017. A norma define e estabelece metodologias para um conjunto de indicadores relacionados ao desenvolvimento sustentável de comunidades urbanas, com o objetivo de orientar e medir o desempenho de serviços urbanos e qualidade de vida.

O trabalho de estudo e tradução da norma internacional já existente para esse tema foi feito pela Comissão de Estudos Especial 268 da ABNT, uma comissão espelho da Technical Committee TC 268 da ISO, a Sustainable cities and communities, que atuou na confecção da norma internacional. A CEE 268 foi coordenada pelo professor do Departamento de Engenharia de Construção Civil (PCC) da Escola Politécnica (Poli) da USP, Alex Abiko.

Segundo o professor, trata-se de uma tradução e adaptação para a língua portuguesa da norma ISO 37120:2014 – Sustainable development of communities – Indicators for city services and quality of life. “Esses indicadores podem ser utilizados para rastrear e monitorar o progresso do desempenho da cidade no que se refere à sustentabilidade.”

A iniciativa de ter uma norma nacional sobre o assunto nasceu das atividades de pesquisa do próprio Departamento de Engenharia de Construção Civil da Poli, que tem uma linha de estudos em planejamento e engenharia urbanos, e teve colaboração da doutoranda do departamento, a engenheira Iara Negreiros.

A primeira norma técnica para cidades sustentáveis contém 100 indicadores de sustentabilidade urbana e trata dos aspectos ambiental, econômico, social e tecnológico, entre outros. “Esse documento vai ajudar os municípios, governos de Estado, o Ministério das Cidades a medir a sustentabilidade das cidades, mas essas normas não estabelecem padrões”, explica Abiko.

Ou seja, a norma não fala se uma cidade é sustentável ou não, mas estabelece quais requisitos devem ser avaliados para se medir essa sustentabilidade. Engloba indicadores de diferentes áreas, tais como: economia, educação, energia, ambiente, finanças, serviços de emergência, saúde, lazer, segurança, resíduos, transportes, telecomunicações, água, planejamento urbano etc.

Empresas
Além do setor público, a NBR ISO 37120:2017 também pode ser usada pelas empresas para que atestem, para clientes e governo, o quão sustentável são seus empreendimentos. “Gostaríamos que a sociedade use e critique a norma para podermos aprimorá-la”, afirma Abiko.

A norma nasceu de uma necessidade acadêmica. “Queríamos saber como medir a sustentabilidade das cidades e fomos investigar como isso é feito no mundo. Descobrimos mais de 150 sistemas de medição, desenvolvidos e adotados em diversos países, como Estados Unidos, Austrália, França, Inglaterra, África do Sul, e inclusive alguns sistemas no Brasil. Nossa próxima pergunta foi, então, qual seria o melhor sistema para adotarmos aqui, considerando que muitos deles acabam trabalhando questões muito particulares de cada país”, conta.

Nessa pesquisa pelo melhor sistema, chegou-se à norma da ISO, a Organização Internacional de Normalização, entidade que congrega as associações de padronização/normalização de 162 países do mundo, incluindo o Brasil.

“Ela foi selecionada porque é resultado da discussão e trabalho de uma entidade que reúne quase todos os países do mundo, o que dá muita credibilidade e torna a norma internacional. As outras normas que estudamos trazem elementos que são muito particulares das realidades locais, o que torna mais difícil implementá-las em contextos diferentes, enquanto a ISO sempre busca unir o melhor de todas as normas em uma só”, destaca.

Selecionada a norma ISO, a Comissão 268 passou a trabalhar na tradução do documento. Não bastava apenas traduzir para a língua portuguesa, mas fazer uma avaliação técnico-científica do documento porque, ao mesmo tempo em que não se pode alterar uma norma ISO para adotá-la e ela ser uma norma NBR ISO, é preciso fazer adaptações em itens para que a norma faça sentido ou seja adaptada à realidade brasileira, o que foi feito por meio de notas.

Um exemplo de nota brasileira está na definição do termo favela, que também pode ter como sinônimos, no Brasil, os termos assentamentos precários ou assentamentos subnormais, como utilizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Esse trabalho envolveu diversas instituições e órgãos públicos, tais como a Caixa, Ministério das Cidades, Sabesp, Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU), Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), Sindicato da Habitação (Secovi), Conselho Brasileiro da Construção Sustentável (CBCS), Poli, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP, Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo (CDHU), Instituto de Engenharia, entre outras, que compuseram a CEE 268.

As próximas normas a serem desenvolvidas no contexto da CEE 268 são as de Sistemas de Gestão para o Desenvolvimento Sustentável, cujos trabalhos já estão avançados, as de Cidades Inteligentes e as de Cidades Resilientes, em nível mais preliminar.

“É importante participar da discussão de novas normas internacionais desde o início. Se nos aproximamos de outros países e instituições internacionais, podemos colocar nas normas internacionais as questões específicas do Brasil”, conclui Abiko.

FONTE: Sustentarqui

 

DINÂMICA DA REGENERAÇÃO GLOBAL – A CHEGADA DA NOVA ERA

Já sabemos de mil formas como a Humanidade pode ser destruída. Cinema, séries, jornais e até desenhos e artes retratam os infinitos caminhos da extinção, sofrimento e barbárie que podem acometer à Terra e seus habitantes.

Mas conhecemos os caminhos da regeneração? As ações e tecnologias que poderiam nos levar ao reequilíbrio como civilização? Porque devemos continuar nesta “programação” de dor, medo e escassez?

Estamos nos aproximando do ápice. Nosso planeta está no limite e nossas especialistas já não sabem o que fazer diante cenário global. (veja a ponta do iceberg em notícia de 22 de mar 2017 – Estadão: ONU confirma calor recorde e diz que clima entrou em ‘território desconhecido’ ).

Mesmo com ciclos e tendências, é inegável que a nossa atuação está prejudicando o equilíbrio da vida no planeta. E o pior é vermos nosso mundo atual como um retrato do passado. Já temos inovações e tecnologias para transformar (e regenerar) o mundo. Mas elas não recebem a atenção que gostaríamos, pois estão impedidas de florescer por ação dos “sistemas-base” da sociedade. Indústrias que movimentam o mundo, elegem candidatos e não estão interessadas em abrir mão de seus monopólios. Podemos citar como exemplos a indústria bélica (armas e explosivos), farmacêuticas (remédios e vacinas), Gás, Petróleo e Carvão.

Atualmente já sabemos que existem inesgotáveis fontes de energia limpas e sustentáveis. Apenas do Sol, a Terra recebe, em um ano, energia equivalente a quase 10 mil vezes o consumo mundial de energia. No futuro, vamos constatar incrédulos o boicote e perseguição que os inventores das novas soluções livres e renováveis sofreram ao longo da história da humanidade.

Mas neste cenário atual de expectativa e incertezas para o futuro temos que agir da forma que podemos para transmitir as novas soluções para o futuro. Mas antes devemos saber: QUAIS SOLUÇÕES EXISTEM? Sequer sabemos isso ainda!  

DINÂMICA DA REGENERAÇÃO GLOBAL

O “DINÂMICA DA REGENERAÇÃO GLOBAL” é um movimento de comunicação que tem como objetivo reunir oportunidades de práticas (cursos/vivências), conhecimentos (palestras/aulas) e informações (dados/pesquisa) sobre novas soluções e propostas para 6 áreas essenciais de uma sociedade: Transporte, Alimentação, Água, Moradia, Energia e Medicina.  

O conteúdo da DINÂMICA DA REGENERAÇÃO GLOBAL será dividido em temáticas para auxiliar na identificação dos conteúdos, e propõe a seguinte abordagem inicial sobre cada área: (por favor comente se tiver alguma sugestão de melhoria):

NOVAS SOLUÇÕES EM ENERGIA:

Parque de Geração de Energia Solar na Espanha

Geração: Formas de extrair energia de forma sustentável.

Transmissão: Métodos inovadores e soluções para energia sem fio

Armazenamento: Novas tecnologias para retenção eficaz da energia extraída. (Atualmente utilizamos o Lítio como fonte primária das baterias do mundo. Trata-se de um recurso escasso e finito, e a maior reserva de lítio do mundo está no Afeganistão. Definitivamente precisamos adotar novos materiais para realizar esta tarefa.)

 

NOVAS SOLUÇÕES EM TRANSPORTE:

Já existem diversas Propostas e soluções para o transporte público nas grandes cidades.

 

Tratar sobre as novas propostas de veículos e meios de circulação. Veículos autônomos e novos motores movidos a eletricidade ou combustível renovável. Invenções para veículos leves e transporte de cargas e passageiros, seja na terra, na água ou no ar.

 

NOVAS SOLUÇÕES EM MORADIA:

Prédios auto-suficientes e com arquitetura favorável podem abrigar milhares de pessoas de forma sustentável.

Arquitetura (design): Formas que aproveitam os elementos naturais do ambiente, como luminosidade, umidade, etc e geram melhores ambientes para convívio e aprendizado.

Engenharia (construção): Tecnologias e métodos eficientes para construção de casas, comércios e indústrias.

NOVAS SOLUÇÕES EM ALIMENTAÇÃO:

As chamadas “fazendas verticais” são propostas plausíveis para produzir alimentos orgânicos em ambiente controlado e de forma extremamente eficiente, com hidroponia e aeroponia.

Produção (agricultura): Novas propostas para geração de alimentos de forma mais produtiva usando menos recursos. Metodologias de cultivo descentralizado de alimentos;

NOVAS SOLUÇÕES PARA A ÁGUA:

Nomeado Warka Water, foi feito para recolher a umidade do ar por condensação e depositar a água até um recipiente. Constituído por uma torre de 10m, ele pode gerar cerca de 100 litros de água/dia.

Técnicas eficientes para captura e armazenamento de água em diversos tipos de ambientes, bem como formas de realizar a filtragem da água para consumo humano.

 

NOVAS SOLUÇÕES EM MEDICINA

O avanço da compreensão e manipulação do DNA está inaugurando uma nova era na medicina.

Novas propostas para diagnóstico, tratamento e realização de procedimentos cirúrgicos.


 

Vamos compartilhar todos esses conteúdos em futuros posts, e também reunir todos em uma página fixa aqui do Blog que será lançada em breve. Se você gostou desta ideia de reunir conteúdos sobre esse tema e assuntos e gostaria de contribuir de alguma forma, deixe seu comentário ou envie email para jornalistadanovaera@gmail.com.

Participe também da nossa página no Facebook para ampliar essa comunidade nas mídias sociais: facebook.com/JornalistadaNovaEra

Vamos juntos fortalecer os movimentos de regeneração e sustentabilidade para um futuro possível ao planeta. E, principalmente, termos ciência de que todas as soluções já existem. Precisamos apenas colocá-las em prática.