A decisão de romper os padrões destrutivos do mundo atual

Como são formadas nossas Verdades interiores, que moldam o comportamento e influenciam a consciência de uma sociedade e seu futuro?
A TV, Rádio, Jornal, Revista, filmes e séries só alimentam o que da mais audiência e cliques.
E o que da mais Ibope atualmente?
Já é comprovado: Sangue, morte, nudez, sexo e notícias de violência.
E assim, é oferecido maior destaque e presença desses assuntos ao longo da programação, filmes e séries…
Com a consciência deste fato, podemos refletir sobre duas opiniões/pontos de vista:
1) “Nossa! Como que pode tantas pessoas gostarem de consumir violência, medo e recessão. A sociedade está mesmo perdida.”
2) “Como que pode a sociedade ter adoecido desta maneira? Qual a origem e o que está alimentando esses interesses?”
A opinião 1 nos convida à lamentação, desesperança e conformidade. Responder a essa demanda e alimentar CADA VEZ MAIS esses interesses, envolvendo cada dia mais pessoas. É o que nossos sistema de comunicação e entretenimento faz atualmente: uma repetição infinita de padrões destrutivos.
A opinião 2 nos leva a curiosidade, a investigação e a uma maior observação dos estímulos que recebemos. As frases dos comerciais, os diálogos das novelas, as músicas populares, o conteúdo das notícias, séries, jogos…Todas são fontes de análise.
Constatamos que tudo que consumimos em massa estimula a violência, morte, traições e superficialidades. E, no lado oposto, todos os ciclos naturais e as pessoas despertas nos transmitem tanta paz, amor e harmonia.
Como se livrar desta inércia negativa que nos envolve?
Rompendo o padrão! Abandonar e criar novos hábitos, buscar expandir os próprios pontos de vista.
Será um grande desafio chegarmos a uma sociedade com estímulos e conteúdos que efetivamente conectam pessoas a acontecimentos relevantes para o bem estar social e o desenvolvimento sustentável.
Mas nenhum desafio é tão grande que não possa ser superado. E tudo se inicia com nossas decisões pessoais.
Existe uma metáfora que diz:
– Haviam dois lobos: um chamado “medo e desespero” e outro chamado “confiança e harmonia”….Qual deles sobrevive?
A resposta é simples: Qual você alimentar. A sua vontade e atenção irá determinar qual deles vencerá.
Somos co-criadores de nossa realidade pessoal e coletiva. Como os trilhões de elementos e seres vivos que formam nosso corpo físico, tudo está conectado no Universo. Tome a decisão de romper este alimento de destruição que recebemos.
Buscar abandonar conteúdos de violência, aprender sobre meditação, conectar-se com o seu interior para as verdadeiras respostas que curam. Ouvir a consciência do coração e da intuição.
Existe uma grande oportunidade de despertar atualmente, neste tempo que nos aproximamos do “ponto de virada”.
Confio que cada dia mais pessoas escolherão o caminho da paz, do perdão e do amor para nortear as suas condutas e decisões. E nada é mais transformador que isso!
Vamos em frente! Está apenas começando! 🙂
Gratidão pelo canal.

Os sintomas físicos da transição planetária

Você está sentindo sintomas sem explicação médica ou causas prováveis?

Parece que a elevação da frequência de nosso planeta se acelerou muito nos últimos dias. Precisamente desde o dia 25 de agosto, quando comecei a receber muitos relatos semelhantes que motivou esta publicação.

As pessoas que estão no caminho do autoconhecimento e da espiritualidade estão sentindo muito mais forte, pois o seu livre-arbítrio está direcionado para a evolução do corpo/mente/espírito.

A expansão da consciência para uma nova taxa vibratória provoca ajustes em nossos corpos energéticos que afetam diretamente os nossos corpos físicos.

SINTOMAS RELATADOS:

1) Dor de cabeça relatada como “estranha”, de uma forma que a pessoa não está acostumada (quase sempre com pontadas ou latejamento no meio da cabeça)

2) Forte Dor no fundo dos Olhos, podendo ter constante lacrimejamentos.

3) Latejamento e dores na região da Nuca

4) Dor tensional na região do pescoço e parte superior das costas.

5) Diarreias ou vômitos sem motivo aparente (alguns relatam que nem sequer comeram para passarem mal)

6) Pontadas na região do peito que aparecem e passam rapidamente;

7) Sonolência extrema de forma súbita (como se tivesse descarregado toda a energia de uma só vez)

8) Sonhos vívidos e muito agitados

Você está sentindo alguns desses sintomas?

EXPLICAÇÕES PROVÁVEIS:

Já era esperado esses sintomas em nosso corpo físico neste período de transição, afinal a densidade de toda a realidade que compõe os nossos corpos está se alterando.

Todos esses sintomas estão relacionados com a limpeza e desbloqueios que estão sendo necessários em seu corpo para lidar com o fluxo de energia crescente que você está recebendo.

As pessoas que estão no caminho ativo pela espiritualidade estão sendo muito mais afetadas, pois estão permitindo que essa adaptação aconteça. Para muitos, nada disso faz sentido, uma vez que não procuram, não buscam, não desejam e, assim, se fecham para todo esse fluxo com a ausência de seu livre-arbítrio. Sempre teremos a opção da escolha.

Aos que estão se adaptando, podemos aumentar as práticas de meditação, exposição solar em concentração e, principalmente, muito cuidado com a alimentação, pensamentos e sentimentos. Cada vez mais seu corpo ficará intolerante aos alimentos pesados e cada vez mais sutis para os fluxos mentais.

Sempre me vem a mensagem que tudo isso é como uma passagem necessária, que devemos até nos alegrar por estarmos vivenciando. Pois quanto mais cedo iniciarmos esse processo de adaptação, mais cedo iremos condicionar nosso ser para uma nova vibração, que será realidade para todos os seres do planeta em futuro breve.

O que vocês sentem em relação a isso? Compartilhe as suas percepções!
Estamos todos aprendendo a conviver com essas realidades, vamos nos unir para compreendermos todos esses movimentos da transição planetária que estamos passando.

Gratidão pelo oportunidade. 

Luz e Paz.

A transformação vibracional da realidade terrena

As fronteiras do tempo se abrirão diante dos olhos de todos. O que seria em décadas ou séculos, ocorrerá em poucos anos.

Talvez estejam os planos Divinos dando um ultimato sobre os limites que não podemos ultrapassar, sob o risco de afetar o equilíbrio da vida em muitos outros mundos conectados ao fluxo energético que participa o vosso planeta.

Tudo é monitorado e avaliado. O respeito as leis do livre-arbítrio e da ilusão da separatividade que oculta os saberes espirituais das percepções dos olhos físicos, é seguido por todos os seres espirituais alinhados com os planos de Deus.

Porém, todo esse véu está em curso de ser removido para a compreensão e revelação individual e coletiva dos múltiplos planos que envolvem a vida.

A constatação interior quase imediata só é possível com a alteração vibracional do vosso plano para que sejas possível enxergar e vivenciar quase fisicamente a realidade metafísica que sempre esteve presente no seu planeta.

O que, aos olhos humanos, é uma “eternidade”, para a realidade espiritual são apenas mínimo momentos.

Para nós, não existe “demorado” ou “injusto”, mas sim a sucessão de fatos esperados sobre um planeta de livre-arbítrio, ou seja, colhe-se o que se planta. Toda ação trás consequências. Não há evolução sem aprendizado, nem que seja preciso usar a dor para despertar. Por isso, os momentos de grande turbulências que enfrentam como civilização não são nada mais que o período natural e esperado de reestabilização para uma nova taxa vibratória da vossa realidade.

Não há como ser diferente o caminho da renovação planetária, pois em última estância, deve ser dada a oportunidade justa e igualitária a todos os habitantes do vosso plano de acompanhar essa evolução e permanecer neste plano da vida, que irá florescer para um novo estágio.

Todos terão a oportunidade de ouvir o chamado da intuição e adaptar vossos pensamentos, sentimentos e ações para uma nova expressão do viver.

A ascensão de um planeta não é algo linear, previsível, principalmente em planos de livre-arbítrio como a Terra. A criatividade e a individualidade moldam os acontecimentos. Todos seguem na mesma direção, mas por  múltiplos possíveis caminhos.

Todas as dificuldades são como aceleradores dos ajustamentos necessários para um novo mundo e uma nova vida para você.

Em seu coração reside as respostas. Desperte o seu guia interior. Ele sempre está com você. Sutilize a sua percepção e sinta a sua realidade.

Enviamos nossas mais sinceras energias de Luz, Amor e Sabedoria para toda humanidade. O despertar é eminente. Aproveite este momento para expandir a luz do Bem no mundo.

Todos estão sendo chamados para agir da forma que for possível para a evolução do Amor e Paz no mundo.

Estamos prontos para auxiliar na compreensão desta nova realidade que se aproxima. Basta pedir e exercer o seu livre-arbítrio para desejar saber as essências que regem os acontecimentos.

Estamos autorizados a auxiliar a todos que escolherem o caminho do auxílio e da cooperação ao plano divino da evolução na Terra.

Despertem o seu guia interior. Ele conduzirá o seu caminho. Mesmo diante do impossível, sempre encontrarás saída e o caminho da Luz.

  • Por “Mensageiro Celeste” – 22/05/2017. 

 

A infinita jornada interior pela Evolução

Em nosso interior existem duas forças que ficam constantemente “batalhando” por nossas decisões, afetando nossa saúde física e mental.

Um delas representa a voz de nossas crenças limitantes que precisam ser superadas. E a outra, a voz infalível e onipresente de uma Sabedoria maior que a compreensão da lógica humana, que a todo instante tenta mostrar os acontecimentos e caminhos sob a ótica do amor, da paz e do respeito. Nos traz vergonha sem julgamentos pelos erros, e alegria sem vaidade pelos acertos.

Cada dia mais, percebo que a nossa vida se resume a compreender essas “vozes”, assumir nosso papel como eternos aprendizes e seguir aquela voz que sabemos que nos levará ao equilíbrio e harmonia conosco e com todas as formas de vida, e nos conduzirá adiante na infinita jornada de evolução que estamos apenas começando.

Criado telhado inteligente para autosuficiência energética de moradias

O professor Wen Tong Chong, da Universidade da Malásia, acredita ter encontrado o projeto ideal para uma casa mais ambientalmente correta em regiões tropicais.

Seu objetivo foi obter um equilíbrio entre um “conflito ambiental” que incomoda os arquitetos: como conciliar a crescente demanda de conforto, com seu natural consumo de energia, e a necessidade de reduzir o consumo de energia por conta das mudanças climáticas.

Usar fontes renováveis de energia e aproveitar as variações naturais do clima parece ser uma resposta adequada, mas falar é mais fácil do que fazer.

Chong então idealizou um telhado superior em formato de V, que se projeta acima do telhado tradicional, criando as condições para gerar energia e aproveitar a iluminação natural.

Telhado inteligente

A estrutura em V coleta o vento e o dirige para uma série de turbinas situadas logo abaixo, gerando eletricidade.

A estrutura também aumenta o fluxo de ar dentro da casa por meio de aberturas construídas no telhado tradicional, melhorando a ventilação natural.

Além disso, um coletor de água da chuva é conectado a um sistema automatizado de resfriamento e limpeza que lava as células solares embutidas no telhado secundário, para manter seu nível de eficiência.

Finalmente, claraboias transparentes iluminam as áreas principais dentro da casa durante o dia, reduzindo a necessidade de iluminação artificial.

Ganhos energéticos

Chong afirma que seu telhado adicional poderia suprir as necessidades de uma família de seis pessoas, gerando 21,20 quilowatts (kWh) de energia, e economizando outros 1,84 kWh por conta dos tetos solares.

Além disso, o sistema de ventilação poderia movimentar, em termos anuais, cerca de 217 milhões de metros cúbicos de ar e reduzir as emissões de dióxido de carbono em 17.768 quilogramas, enquanto o coletor de água da chuva poderia coletar cerca de 525 metros cúbicos de água.

Primeira norma técnica para cidades sustentáveis é criada no Brasil

Primeira norma técnica para cidades sustentáveis do Brasil foi aprovada e publicada pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) em janeiro, a NBR ISO 37120:2017. A norma define e estabelece metodologias para um conjunto de indicadores relacionados ao desenvolvimento sustentável de comunidades urbanas, com o objetivo de orientar e medir o desempenho de serviços urbanos e qualidade de vida.

O trabalho de estudo e tradução da norma internacional já existente para esse tema foi feito pela Comissão de Estudos Especial 268 da ABNT, uma comissão espelho da Technical Committee TC 268 da ISO, a Sustainable cities and communities, que atuou na confecção da norma internacional. A CEE 268 foi coordenada pelo professor do Departamento de Engenharia de Construção Civil (PCC) da Escola Politécnica (Poli) da USP, Alex Abiko.

Segundo o professor, trata-se de uma tradução e adaptação para a língua portuguesa da norma ISO 37120:2014 – Sustainable development of communities – Indicators for city services and quality of life. “Esses indicadores podem ser utilizados para rastrear e monitorar o progresso do desempenho da cidade no que se refere à sustentabilidade.”

A iniciativa de ter uma norma nacional sobre o assunto nasceu das atividades de pesquisa do próprio Departamento de Engenharia de Construção Civil da Poli, que tem uma linha de estudos em planejamento e engenharia urbanos, e teve colaboração da doutoranda do departamento, a engenheira Iara Negreiros.

A primeira norma técnica para cidades sustentáveis contém 100 indicadores de sustentabilidade urbana e trata dos aspectos ambiental, econômico, social e tecnológico, entre outros. “Esse documento vai ajudar os municípios, governos de Estado, o Ministério das Cidades a medir a sustentabilidade das cidades, mas essas normas não estabelecem padrões”, explica Abiko.

Ou seja, a norma não fala se uma cidade é sustentável ou não, mas estabelece quais requisitos devem ser avaliados para se medir essa sustentabilidade. Engloba indicadores de diferentes áreas, tais como: economia, educação, energia, ambiente, finanças, serviços de emergência, saúde, lazer, segurança, resíduos, transportes, telecomunicações, água, planejamento urbano etc.

Empresas
Além do setor público, a NBR ISO 37120:2017 também pode ser usada pelas empresas para que atestem, para clientes e governo, o quão sustentável são seus empreendimentos. “Gostaríamos que a sociedade use e critique a norma para podermos aprimorá-la”, afirma Abiko.

A norma nasceu de uma necessidade acadêmica. “Queríamos saber como medir a sustentabilidade das cidades e fomos investigar como isso é feito no mundo. Descobrimos mais de 150 sistemas de medição, desenvolvidos e adotados em diversos países, como Estados Unidos, Austrália, França, Inglaterra, África do Sul, e inclusive alguns sistemas no Brasil. Nossa próxima pergunta foi, então, qual seria o melhor sistema para adotarmos aqui, considerando que muitos deles acabam trabalhando questões muito particulares de cada país”, conta.

Nessa pesquisa pelo melhor sistema, chegou-se à norma da ISO, a Organização Internacional de Normalização, entidade que congrega as associações de padronização/normalização de 162 países do mundo, incluindo o Brasil.

“Ela foi selecionada porque é resultado da discussão e trabalho de uma entidade que reúne quase todos os países do mundo, o que dá muita credibilidade e torna a norma internacional. As outras normas que estudamos trazem elementos que são muito particulares das realidades locais, o que torna mais difícil implementá-las em contextos diferentes, enquanto a ISO sempre busca unir o melhor de todas as normas em uma só”, destaca.

Selecionada a norma ISO, a Comissão 268 passou a trabalhar na tradução do documento. Não bastava apenas traduzir para a língua portuguesa, mas fazer uma avaliação técnico-científica do documento porque, ao mesmo tempo em que não se pode alterar uma norma ISO para adotá-la e ela ser uma norma NBR ISO, é preciso fazer adaptações em itens para que a norma faça sentido ou seja adaptada à realidade brasileira, o que foi feito por meio de notas.

Um exemplo de nota brasileira está na definição do termo favela, que também pode ter como sinônimos, no Brasil, os termos assentamentos precários ou assentamentos subnormais, como utilizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Esse trabalho envolveu diversas instituições e órgãos públicos, tais como a Caixa, Ministério das Cidades, Sabesp, Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU), Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), Sindicato da Habitação (Secovi), Conselho Brasileiro da Construção Sustentável (CBCS), Poli, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP, Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo (CDHU), Instituto de Engenharia, entre outras, que compuseram a CEE 268.

As próximas normas a serem desenvolvidas no contexto da CEE 268 são as de Sistemas de Gestão para o Desenvolvimento Sustentável, cujos trabalhos já estão avançados, as de Cidades Inteligentes e as de Cidades Resilientes, em nível mais preliminar.

“É importante participar da discussão de novas normas internacionais desde o início. Se nos aproximamos de outros países e instituições internacionais, podemos colocar nas normas internacionais as questões específicas do Brasil”, conclui Abiko.

FONTE: Sustentarqui